Transtornos psiquiátricos ganham atenção redobrada na pandemia

0
115

São muitas as mudanças na rotina ocasionadas pela Covid-19 que podem aumentar os casos de sofrimento emocional e os transtornos mentais. Entre as alterações presentes no dia a dia estão o trabalho remoto, sobrecarga com demandas dos filhos, cuidados redobrados com higiene e limpeza, medo e incertezas sobre as condições de trabalho, de sair nas ruas, de propagação do vírus a familiares do grupo de risco, entre muitas outras condições.

Todas essas mudanças, podem resultar em um desfecho que começa a se tornar uma preocupação pelos pesquisadores e profissionais da área de saúde mental, que é o aumento do número de casos de sofrimento psicológico e de problemas psiquiátricos entre as pessoas.

E esse cenário já levou a Organização das Nações Unidas (ONU) publicar um relatório chamando a atenção de governos do mundo todo para que adotem medidas para reduzir o possível impacto da pandemia de Covid-19 sobre a saúde psíquica da população, alertando sobretudo, para a gravidade e a duração dos problemas mentais, afinal, mesmo que a pandemia termine em breve (no melhor dos cenários), ainda teremos as consequências econômicas, financeiras e os traumas diversos.

Segundo um artigo publicado na revista Fapesp (Fundação de apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo) por Ricardo Zorzetto, além do possível aumento em casos de ansiedade e de depressão, já se espera um crescimento nos casos de transtorno de estresse pós-traumático, que consiste na rememoração de eventos altamente estressantes em que há ameaça à vida, e de luto prolongado, no qual passa a existir a dificuldade de superar a perda de quem foi atingido com o pior desfecho desse cenário: a morte.

E ainda, já se observa tendências de comportamento sendo alteradas nesse cenário: o exemplo oriental mostra que houve um aumento no consumo abusivo e na dependência de álcool, respectivamente, de 11% e 6,8% em Hubei e de 1,9% e 1% no resto da China.

No Brasil, parece que estamos na mesma tendência: já temos dados que mostram que houve um aumento do consumo de bebidas alcoólicas em 21% desde o início da pandemia.

Enquanto não conseguimos avistar o fim da pandemia, psiquiatras e psicólogos fazem algumas recomendações para amenizar o sofrimento psíquico: manter uma rotina parecida com a de antes, dormindo e acordando no mesmo horário; fazer exercício físico; não aumentar o consumo de bebidas alcoólicas; tentar desenvolver hobbies e realizar atividades de lazer; e não ficar ligado o tempo todo no noticiário.

E, de alguma maneira parece que as pessoas estão mudando o comportamento nesse período. Segundo o estudo “Panorama Covid-19”, além de mais convivência familiar, 81% dos brasileiros estão buscando ter um estilo de vida mais saudável e 96% afirmaram que vão manter os hábitos de higiene que adquiriram durante o período de isolamento social.

Para auxiliar no enfrentamento desse cenário que estamos vivendo, a medicina do estilo de vida pode ajudar a tratar e prevenir doenças relacionados ao estresse. Confira o nosso e-book e descubra como a medicina do estilo de vida pode ajudar.

 

 

Referências bibliográficas:

ZORZETTO, R. Mudanças na rotina ocasionadas pela Covid-19 podem aumentar casos de sofrimento emocional e transtornos mentais. Pesquisa Fapesp, ano 21, N. 294, 2020.

Panorama Covid-19. Disponível em: https://gente.globo.com/panorama-covid19/. Acesso em: 01/09/2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome