Sedentarismo, atividade física e medicina do estilo de vida: qual a associação?

Segundo os preceitos da medicina do estilo de vida, é importante que as atividades físicas sejam regulares e consistentes, ou seja, que podem ser mantidas diariamente durante toda a vida.

0
35
Uma das abordagens terapêuticas da medicina do estilo de vida é o encorajamento para a prática de atividade física regular.

 

E isso se deve, em partes, pelas próprias estimativas atuais. A Organização Mundial de Saúde prevê que até 2020, dois terços de todas as doenças no mundo serão resultado de escolhas de estilo de vida. Nos Estados Unidos, as principais causas de mortes prematuras em adultos estão relacionadas a comportamentos não saudáveis, como o uso de tabaco (18,1%) e pela má alimentação e falta de atividade física (15,2%).

Além disso, uma recente publicação do Journal of the American College of Cardiology (Abril, 2019), enfatizou que na última década, diferentes estudos têm demonstrado que altos níveis sedentarismo está associado ao aumento do risco de mortalidade, particularmente para a maioria dos adultos americanos que não são ativos.

Até mesmo o último Guia de Atividade Física para Americanos, tem um foco maior no sedentarismo e no encorajamento à população de se “mover mais e sentar menos” para se ter uma saúde melhor.

Em um estudo que avaliou a relação entre a ingestão de frutas e hortaliças, atividade física e mortalidade por todas as causas em 713 mulheres idosas (com idade entre 70 e79 anos) evidenciou que a baixa ingestão de carotenoides e a baixa atividade física previu fortemente o risco de mortalidade precoce.

Além disso, a atividade física é importante na prevenção do declínio funcional e aumento da sobrevida da população, na redução da incidência de quedas e fraturas e tem vários benefícios para a saúde cardiovascular.

Portanto, fica claro que é fundamental estarmos atentos ao tempo que dedicamos à prática de uma atividade física e o tempo que passamos sentados, para otimizarmos nosso comportamento e melhorarmos nossa saúde.

Mas como isso seria possível, seguindo os insights da medicina de estilo de vida?

Seguindo os preceitos da medicina do estilo de vida, é importante que as atividades físicas sejam regulares e consistentes, ou seja, que podem ser mantidas diariamente durante toda a vida. Pode ser aquela que você mais se identifica, que mais te dê prazer, como por exemplo, uma caminhada, jardinagem, natação, andar de bicicleta, dançar, entre tantas outras, algumas delas até fazem parte da sua rotina e existem várias que podem ser feitas em grupos, tornando a experiência ainda mais agradável! O importante é se manter ativo por alguns minutos ao dia, e quando a gente faz aquilo que gosta tudo fica mais fácil!

 

Referências bibliográficas:

 

U.S. Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines for Americans. 2nd Edition. Washington, DC: U.S. Department of Health and Human Services, 2018:42–3.

Woo, J. Relationships among diet, physical activity and other lifestyle factors and debilitating diseases in the elderly.Eur J Clin Nutr. 2000 Jun;54 Suppl 3:S143-7.

Nicklett, E. J., Semba, R. D., Xue, Q.-L., Tian, J., Sun, K., Cappola, A. R., … Fried, L. P. (2012). Fruit and Vegetable Intake, Physical Activity, and Mortality in Older Community-Dwelling Women. Journal of the American Geriatrics Society, 60(5), 862–868. doi:10.1111/j.1532-5415.2012.03924.x

Matthews, C. E. Minimizing Risk Associated With Sedentary Behavior Should We Focus on Physical Activity, Sitting, or Both?  EDITORIAL COMMENT. JOURNAL OF THE AMERICAN COLLEGE OF CARDIOLOGY. VOL. 73, NO. 16, 2019.

Polak, R., Pojednic, R. M., & Phillips, E. M. (2015). Lifestyle Medicine Education. American Journal of Lifestyle Medicine, 9(5), 361–67.doi:10.1177/1559827615580307

Clarke, C. A., Frates, J., & Pegg Frates, E. (2016). Optimizing Lifestyle Medicine Health Care Delivery Through Enhanced Interdisciplinary Education. American Journal of Lifestyle Medicine, 10(6), 401–405.doi:10.1177/1559827616661694.

Stamatakis, E.; Gale, J.; Bauman, A.; Ekelund, U.; Hamer, M.;  Ding, D.  Sitting Time, Physical Activity, and Risk of Mortality in Adults. Journal of the American College of Cardiology. Volume 73, Issue 16, April 2019DOI: 10.1016/j.jacc.2019.02.031.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome