Medicina culinária: dicas para otimizar a ingestão de nutrientes

0
325

Em tempos de pandemia, temos observado entre tantas mudanças em nossa rotina, o retorno a alimentação preparada em casa!

Isso se deve sobretudo a dois fatores básicos: primeiro, a quarentena que incluiu o fechamento (variável conforme cada estado) dos estabelecimentos comerciais, incluindo os restaurantes e, segundo que, o próprio exercício em home – office exigiu que a alimentação fosse realizada em casa, prática antes esquecida ou impossibilitada (ou não priorizadas).

E aí nos questionamos: será que os hábitos adquiridos durante a pandemia, irão perdurar? Quais são as vantagens de se cozinhar em casa?

Pois bem, e é aí que entra a medicina culinária (que já falamos outras vezes aqui).

Segundo uma publicação recente do American Journal of Lifestyle Medicine, La Puma traz maneiras práticas para indivíduos gostarem de preparar refeições, por meio da escolhe dos alimentos, refeições e bebidas

Um princípio básico da medicina culinária é a biodisponibilidade e tal como na farmacologia, a biodisponibilidade de nutrientes nos alimentos é influenciada por muitos fatores. Algumas dicas sobre biodisponibilidade que você pode usar para aumentar a absorção de determinadas substâncias (como os compostos bioativos, por exemplo), podem ser conferidas:

  • Combine folhas verdes e abacate para aumentar a absorção de luteína (sete vezes maior do que se não houvesse abacate);
  • Combine azeite e tomate (ou melhor, pasta de tomate) para maior absorção do licopeno;
  • Combine alimentos da mesma cor no mesmo prato para criar sabores: por exemplo, abóbora e especiarias, como o açafrão amarelo; mais de vegetal verde em uma salada ou refogados; e vermelho, como tomates com pimentão vermelho em um Ratatouille;
  • Coma pratos que contenham açafrão acrescentando uma pitada pequena de pimenta preta e algumas gotas de uma gordura saudável (azeite) para melhorar a biodisponibilidade de curcuminóides;
  • Deixe o alho que você picou descansar por 10 minutos antes de cozinhar, para permitir níveis de alicina e tiossulfinato a subir, para se beneficiar dos efeitos antiagregante plaquetário;
  • Adicione um pouco de uma brássica fresca (por exemplo, brócolis, couve, agrião, couve-flor) a um vegetal cozido ou a um prato contendo brássica previamente congelado para reativar os efeitos de desintoxicação do sulforafano também cozido e aumentá-lo no prato finalizado.

Gostou dessas dicas? Acompanhe mais dicas no nosso próximo papo de nerd!

 

Referências bibliográficas:

Puma, J. L. Culinary Medicine and Nature: Foods That Work Together. American Journal of Lifestyle Medicine, 155982761989514. 2020, doi:10.1177/1559827619895149.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome