Dieta DASH: quais as características?

0
97

A dieta DASH tem se destacado nos últimos anos, mostrando grandes benefícios na redução da pressão arterial sendo considerada, portanto, um avanço importante na nutrição.

Nessa semana temos o dia de prevenção e combate a hipertensão arterial. E por isso, vamos trazer nas nossas discussões, temas importantes relacionados a esta doença que se constitui em um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares.

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença crônica caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias e acontece quando os valores das pressões máxima e mínima são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9).

Segundo dados do Ministério da Saúde (2017), a prevalência de hipertensão autorreferida (dados do VIGITEL) passou de 22,6% em 2006 para 24,3% em 2017. A pressão alta tende a aumentar com a idade, chegando, em 2017, a 60,9% entre os adultos com 65 anos e mais; e foi menor entre aqueles com maior escolaridade, com 14,8% entre aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

Por isso, a abordagem nutricional é essencial tanto para a prevenção quanto para o tratamento da doença. Entre elas, a Dieta DASH (Dietary Aproaches to Stop Hypertension) têm se destacado neste cenário nos últimos anos, mostrando grandes benefícios na redução da pressão arterial sendo considerada, portanto, um avanço importante na nutrição.

Mas, em que consiste essa dieta?

Consiste na priorização das frutas, hortaliças, cereais integrais, laticínios com baixo teor de gordura, frango, peixes e oleaginosas. Também limita o o consumo de carne vermelha, doces, bebidas açucaradas e alimentos ricos em sódio.

A VI Diretriz Brasileira de Hipertensão traz detalhadamente a recomendação para adoção da dieta DASH, como podemos observar no quadro abaixo.

Fonte: Diretrizes Brasileiras de Hipertensão VI, 2010.

Nesta semana, continuaremos falando sobre mais temas relacionados a hipertensão arterial e os benefícios da nutrição para prevenção e tratamento da doença. Continue nos acompanhando.

 

 

Referências bibliográficas.

 

Malachias, M. V. B. Tratamento Não Medicamentoso e Abordagem Multiprofissional. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão VI | Capítulo 5. J Bras Nefrol 32; Supl1 (2010) S22-S28.

Brasil. http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hipertensao. Acesso em: 21/04/2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome