Consumo de sódio e potássio: quanto influencia na hipertensão?

As diretrizes da Organização Mundial da Saúde recomendam que os adultos devem consumir menos de 2.000 mg de sódio, ou 5 gramas de sal, e pelo menos 3.510 mg de potássio por dia.

0
53

Entre diferentes fatores envolvidos no desenvolvimento da hipertensão arterial sistêmica (HAS), o consumo elevado de sódio é um dos principais.

O sódio é o principal cátion do líquido extracelular no corpo e é um nutriente essencial para a manutenção do volume plasmático, do equilíbrio ácido-base, da transmissão dos impulsos nervosos e da função celular normal. Em indivíduos saudáveis, quase 100% do sódio ingerido é absorvido durante a digestão e a excreção urinária é o principal mecanismo para manutenção do equilíbrio de sódio. Portanto, ele é necessário para a manutenção das funções do organismo, desde que em quantidades adequadas.

Segundo dados da última Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) realizada pelo IBGE no Brasil, uma das únicas pesquisas de consumo alimentar representativas para a população brasileira, entre 2008 e 2009, cada brasileiro consumia 1,031 kg de alimentos e 4,46 g de sódio por dia, o correspondente a 11,38 g de sal o que está acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

Em 2013, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reduziu ainda mais a recomendação do consumo diário de sal entre adultos. A orientação anterior recomendava que a ingestão de sódio deveria ser de no máximo, 5 gramas de sal, o que equivale a 2 gramas de sódio.

A partir de 2013, as novas diretrizes da OMS recomendam que os adultos devem consumir menos de 2.000 mg de sódio, ou 5 gramas de sal, e pelo menos 3.510 mg de potássio por dia.

Isso porque, uma pessoa com níveis elevados de sódio e baixos níveis de potássio pode estar em risco de aumento da pressão arterial, o que aumenta o risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral.

Embora o sódio possa ser encontrado em muitos alimentos, dados da POF também evidenciaram que sua principal origem de ingestão de pelo brasileiro é o sal de cozinha, que representou 59,7% do nutriente consumido nos domicílios e 11,8% na alimentação fora do lar, totalizando 71,5% do sódio ingerido no país.

Portanto, a recomendação é que a população diminua a adição de sal de cozinha nas preparações, uma vez que já foi adotado medidas públicas ara redução do sódio em alimentos industrializados, como o acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos (ABIA) entre 2017 e 2022, cujo foco é reduzir o sódio na categoria de pães, bisnaguinhas e massas instantâneas.

Além disso, é importante estar atento ao consumo de alimentos fontes de potássio, tais como:  feijão e ervilha (aproximadamente 1.300 mg de potássio por 100 g), nozes (aproximadamente 600 mg/100 g), vegetais como espinafre, repolho e salsa (aproximadamente 550 mg/100 g) e frutas como bananas, papaias e datas (aproximadamente 300 mg/100 g).

 

 

Referências bibliográficas:

Sarno, F.; Claro, R. M.; Levy, R. B.; Bandoni, D. H.; Monteiro, C. A. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev Saúde Pública 2013;47(3):571-8.

WHO. Guideline: Sodium intake for adults and children. Geneva, World Health Organization (WHO), 2012.

WHO. WHO issues new guidance on dietary salt and potassium. World Health Organization (WHO), 2013. Disponível em: https://www.who.int/mediacentre/news/notes/2013/salt_potassium_20130131/en/. Acesso em: 23/04/2019.

ABIA. Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação. Cenário do consumo de sódio no Brasil Estudo elaborado com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Abia Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação. 2013.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome