Consumo de café e fatores de estilo de vida

0
136

Já que nesta semana foi comemorado o dia do café, hoje ele é nosso assunto aqui no papo de Nerd. O consumo de café tem sido inversamente associado a várias doenças, inclusive, já falamos outras vezes por aqui. Mas, ainda muitos mecanismos precisam ser elucidados.

Hoje, vamos falar sobre o consumo de café e os fatores de estilo de vida, publicados recentemente pela revista Nutrients, em que os pesquisadores utilizaram dados de uma amostra representativa da população norte americana, incluindo 17.752 participantes da Terceira Pesquisa Nacional de Exame Nacional de Saúde e Nutrição (Third National Health and Nutrition Examination Survey – NHANES III) para investigar a associação de 245 metabólitos, nutrientes e fatores de estilo de vida com o consumo de café.

E o que os dados revelaram?

Segundo os dados da pesquisa, o consumo regular de café foi associado positivamente. Ou seja, quanto maior o consumo, maiores os resultados de tabagismo ativo e passivo, concentrações séricas de chumbo e cádmio urinário, ingestão alimentar de potássio e magnésio e aspirina. Por outro lado, o consumo regular de café foi inversamente associado (ou seja, quanto maior a ingestão de café, menor os demais resultados – ou o contrário) aos níveis séricos de folato e folato nos glóbulos vermelhos, vitamina E e C sérica e concentrações de beta-criptoxantina, pontuação no Índice de Alimentação Saudável e bilirrubina sérica total.

E o que explicaria esses resultados?

A associação significativa entre consumo regular de café e tabagismo pode ser explicada pela estimulação do metabolismo da cafeína pelo fumante e, portanto, pela maior tolerância à cafeína nesses indivíduos (ou seja, eles podem beber mais café ou bebidas que contêm cafeína do que os não fumantes). Além disso, segundo os autores, essa associação também pode ser atribuída à responsabilidade pessoal por ter hábitos viciantes.

Já a associação positiva entre o consumo regular de café e as concentrações séricas de chumbo ou cádmio urinário reflete potencialmente a contaminação do café por metais pesados. Por isso, vale sempre a dica de consumir cafés com procedência e se possível, que já foram avaliados por institutos e órgãos que regulamentam a segurança dos produtos.

A associação inversa entre o consumo regular de café e a concentração sérica de folato ou folato nos glóbulos vermelhos pode indicar que os indivíduos que tomam café seguem uma dieta menos rica em frutas e vegetais em comparação aos que não tomam café regularmente. Alternativamente, essa associação inversa pode ser atribuída ao metabolismo alterado dos nutrientes devido ao consumo de café.

Por isso, nunca é demais lembrar que os cuidados com os fatores que compõem o estilo de vida dos indivíduos são fundamentais: não adianta mudar toda a alimentação, se o hábito de fumar continua presente! Vale a reflexão!

 

 

Referências:
Elhadad, M. A.; Karavasiloglou, N.; Wulaningsih, W.; Tsilidis, K. K.; Tzoulaki, I.; Patel, C. J.; Rohrmann, S. Metabolites, Nutrients, and Lifestyle Factors in Relation to Coffee Consumption: An EnvironmentWide Association Study. Nutrients, 12, 1470, 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome