Probióticos e efeitos na saúde

O uso de probióticos tem um respaldo importante na literatura, oferecendo benefícios em toda as fases da vida e em diferentes aplicações clínicas.

0
282

Existe uma diversidade de efeitos e cada vez mais novos benefícios são constantemente explorados quando se trata do uso de probióticos. Além disso, esses microrganismos benéficos podem atuar em diferentes locais do organismo, tais como boca, trato gastrointestinal, respiratório, urinário, pele, entre outros. Os benefícios dos probióticos podem ser extrapolados para todas as fases da vida, com benefícios na saúde de crianças, adultos e idosos.

Mas as principais indicações do uso de probióticos na prática clínica ainda estão relacionadas a prevenção e ao tratamento de doenças que acometem o trato gastrointestinal.

Estudos em humanos e modelos animais tem demonstrado o potencial clínico dos probióticos no tratamento de muitas doenças, como no tratamento e prevenção da diarreia (incluindo diarreia aguda, associada a antibióticos, prevenção de diarreia por Clostridium difficile e induzida por radiação); diminuição da intolerância a lactose (através da promoção da digestão da lactose) em indivíduos intolerantes; diminuição das complicações pós operatórias; além de possuírem atividades anti-microbianas e anti-cancerígenas (especificamente relacionada a prevenção de câncer colorretal); atuam na redução dos sintomas da síndrome do intestino irritável e prevenção de doenças inflamatórias intestinais, especialmente Doença de Chron e colite ulcerativa.

Além isso, também possuem benefícios  na prevenção e tratamento de alergias; no controle e estabilização da microbiota intestinal após o uso de antibióticos; promoção da resistência gastrointestinal à colonização por patógenos; diminuição da população de patógenos através da produção de ácidos acético e lático, de bacteriocinas e de outros compostos antimicrobianos; estão envolvidos na estimulação do sistema imune; alívio da constipação; aumento da absorção de minerais e produção de vitaminas, tais como B12 e vitamina K.

Já na gestação, os principais benefícios relacionados a suplementação de probióticos, tangem estudos que têm evidenciado desfechos positivos, associados a um maior tempo de gestação, maior peso ao nascer, menores taxas de corioamnionite* e maiores taxas de microbiota vaginal normal.

No que se refere a utilização de probióticos nos bebês, seu uso pode estimular o equilíbrio do sistema imunológico . Em uma revisão sistemática e meta análise, incluindo 4.783 neonatos pré-termos, evidenciou que o risco de enterocolite necrosante e mortalidade por todas as causas foram significativamente menores naqueles suplementados com probiótico sendo que, nenhum efeito adverso significativo foi relatado.

A Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) publicou no ano de 2017, a partir de estudos classificados segundo os critérios do Centro Oxford para Medicina baseada em evidências, uma relação de indicações para consumo de probióticos, prebióticos e simbióticos, para população adulta e pediátrica, bastante útil na prática clínica. Confira abaixo:

Aplicações clínicas de prebióticos e probióticos:

  • Prevenção de câncer colorretal;
  • Prevenção e tratamento de diarreia;
  • Erradicação da H. pylori;
  • Prevenção e tratamento da encefalopatia hepática;
  • Melhora da resposta imunológica;
  • Terapia coadjuvante na doença intestinal inflamatória;
  • Alívio de sintomas e melhora da qualidade de vida em pacientes com síndrome do intestino irritável;
  • Redução de cólicas em bebês;
  • Melhora da digestão da lactose;
  • Redução do risco de enterocolite necrosante;
  • Diminuição dos sintomas na hepatite não alcóolica;
  • Prevenção de infecções sistêmicas.

*A corioamnionite é decorrente de uma infecção bacteriana ascendente, através do canal de parto. Essa infecção pode resultar em alterações de tipo inflamatório no âmnio e cório.

 

Referências bibliográficas:

BERMUDEZ-BRITO, M.; PLAZA-DÍAZ, J.; MUÑOZ-QUEZADA, S.; GÓMEZ-LLORENTE, C.; GIL, A. Probiotic Mechanisms of Action. Ann Nutr Metab. 61:160–174, 2012.

BUTEL, M. J. Probiotics, gut microbiota and health. Médecine et maladies infectieuses, 1-8, 2014.

DESHPANDE, G.; JAPE, G.; RAO, S.;PATOLE, S. Benefits of probiotics in preterm neonates in low-income and mediumincome countries: a systematic review of randomised controlled trials. BMJ Open 2017;7:e017638.

INFECÇÕES PERINATAIS – Transmitidas de mãe para filho. Centro Latino-Americano de Perinatologia / Saúde da Mulher e Reprodutiva – CLAP/SMR Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde – OPAS/OMS, 2010.

http://www.clap.ops-oms.org/publicaciones/clap1567-3.pdf

KOTZAMPASSI, K.; GIAMARELLOS-BOURBOULIS, E. J. Probiotics for infectious diseases: more drugs, less dietary supplementation. International Journal of Antimicrobial Agents, 40, 288– 296, 2012.

VANDENPLAS, Y.; HUYS, G.; DAUBE, G. Probiotics: an update. J Pediatr (Rio J), 91(1):6-21, 2015.

WANG, Y.; WU, Y.; WANG, Y.; XU, H.;  MEI, X.; YU, D.; WANG, Y.; LI, W. Antioxidant Properties of Probiotic Bacteria. Nutrients,  9, 521, 2017.

SAAD, S. M. I. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences. vol. 42, n. 1, jan./mar., 2006.

WORLD GASTROENTEROLOGY ORGANISATION (WGO). Global Guidelines. Probiotics and prebiotics. February, 2017.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome