Carotenóides e sua importância na proteção da pele.

Uma ingestão elevada de carotenoides, que são compostos bioativos presentes em alimentos vermelhos, amarelos e laranjas, melhora a vermelhidão na pele induzida por raios UV.

0
168

Com a chegada da estação mais quente do ano, a exposição ao sol aumenta, e com ela, a preocupação com os cuidados da pele também. Mas, para além do uso de protetor solar e cremes que são fundamentais e essenciais, é importante também se preocupar com a alimentação.

Por isso, hoje vamos falar sobre o papel dos carotenóides, provenientes da alimentação e sua importância para a proteção da pele.

Um artigo de revisão publicado pelo The American Journal of Clinical Nutrition, em 2012, avaliou o aspecto nutricional dos fitoquímicos em humanos, ou seja, os carotenóides (licopeno e β-caroteno) oriundos da dieta na proteção da pele.

Os autores avaliaram estudos de intervenção em humanos, com o consumo de carotenóides ingeridos a partir de uma dieta rica desses compostos bioativos ou por meio de suplementação.

A maioria dos estudos forneceu evidências de que uma ingestão elevada de carotenóides melhora a vermelhidão na pele (eritema) induzida por raios UV. Além disso, a proteção contra indução de eritema por raios UV foi observada após a intervenção dietética.

Segundo os autores, esses compostos bioativos presentes em várias frutas e vegetais alaranjados, tem a capacidade de absorver e cobrir a faixa de UVB e UVA, respectivamente, contribuindo assim potencialmente para os efeitos fotoprotetores.

Os autores ressaltam ainda que a fotoproteção através de componentes individuais da dieta, como β-caroteno ou licopeno, em termos de fator de proteção solar é consideravelmente menor do que a obtida pelo uso de protetores solares tópicos.

No entanto, um suprimento ideal de antioxidantes como os carotenóides e licopeno aumenta a defesa da pele contra a irradiação UV, suporta a proteção a longo prazo e contribui para a manutenção da saúde e aparência da pele.

Mas, é importante colocar que devido ao tempo de renovação fisiológica da pele, os autores observaram que várias semanas são necessárias para que os efeitos protetores apareçam, em aproximadamente 7 a 10 semanas até que a proteção contra a formação de eritema se torne significativa. Por isso a suplementação com carotenoides e o aumento da ingestão dos alimentos fontes devem acontecer alguns meses antes da exposição solar intensa.

Mas então, a alimentação protege a pele contra os raios solares?

Sim!! Mas os autores deixam bem claro que o aspecto nutricional avaliado no artigo é complementar à foto-proteção tópica, ou seja, a alimentação mais o uso de produtos tópicos (como o protetor solar). Até mesmo porque, a proteção obtida pela alimentação exige um período de consumo prévio, enquanto a proteção por filtro solar tópico é praticamente instantânea.

Então, vamos caprichar na alimentação e nos cuidados com a pele!!

 

Referências bibliográficas:

Stajl, W.; Sies, H. β-Carotene and other carotenoids in protection from sunlight. The American Journal of Clinical Nutrition, Volume 96, Issue 5, 1 November 2012, 1179S–1184S.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome